celso de mello augusto aras bolsonaro moro muito post

Bolsonaro e Moro nas mãos de Celso de Mello e Augusto Aras

Anderson de Souza
anderson@muitopost

O ministro Celso de Mello vai decidir a partir desta segunda-feira, dia 18, sobre a abertura do sigilo do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril de 2020.

Nessa gravação, o presidente Jair Bolsonaro teria supostamente revelado o desejo de interferir na Polícia Federal.

Essa versão foi dada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro e é confirmada por seus advogados.

O presidente nega esse ponto de vista. “Eu espero que a fita se torne pública, para que a análise correta venha a ser feita. A interferência não é no contexto da inteligência não, é na segurança familiar. É bem claro, segurança familiar, eu não toco PF na palavra, nem Polícia Federal, na segurança…”, afirmou Bolsonaro na última sexta, dia 15.

O inquérito está aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Ele decidirá sobre denúncia ou arquivamento.

Os crimes investigados

Moro pode ser enquadrado por prevaricação, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

Jair Bolsonaro pode responder por falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, obstrução de Justiça e corrupção passiva privilegiada.

Se a denúncia seguir em frente, a Câmara dos Deputados dar continuidade e o STF aprovar a abertura da ação penal, Bolsonaro é afastado do cargo automaticamente por 180 dias.

Você pode enviar seu pedido de pauta, notícias, dicas, reclamações, recados, xingamentos ou qualquer dúvida – clique aqui; ou pelo WhatsApp 41 99814-0322 (Fale diretamente neste link).

 

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *